Comportamento da infiltração de água no solo em parque urbano

Autores

  • Artur Paiva Coutinho
  • Edison Gomes de França Universidade Federal de Pernambuco
  • Alfredo Ribeiro Neto Professor da Universidade Federal de Pernambuco
  • Tássia dos Anjos Tenório de Melo Professor da Universidade Federal de Pernambuco
  • Severino Martins dos Santos Neto Programa de Pós Graduação em Tecnologia Energeticas e Nucleares
  • Vitor Hugo de Oliveira Barros Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil e Tecnologia Ambiental do Centro Acadêmico do Agreste
  • Lucas Ravellys Pyrrho de Alcânatara Universidade Federal de Pernambuco
  • Antonio Celso Dantas Antonino Professor Titular da Universidade Federal de Pernambuco

Palavras-chave:

método beerkan, hydrus 1d,. propriedades hidrodinâmicas.

Resumo

O objetivo deste trabalho é avaliar a capacidade de infiltração e determinar os parâmetros hidrodinâmicos de três superfícies (área de convivência, de recreação infantil e jardins) em um parque urbano na cidade de Recife/PE. A metodologia Beerkan foi utilizada para determinar os parâmetros da curva de retenção de água e da curva de condutividade hidráulica, a partir de 24 ensaios de infiltração; e o modelo Hydrus 1D para simular o balanço hídrico das superfícies, submetidas a 365 dias de precipitação pluviométrica. As áreas de jardins apresentaram maiores valores de taxas máximas de infiltração (553,58 mm.h-1), seguidas das áreas de recreação infantil (116,70 mm.h-1) e área de convivência (18,75 mm.h-1). As texturas predominantes das áreas não constataram correlação direta com a condutividade hidráulica saturada (Ks), apresentando valores entre 25,38 e 306,65 mm.h-1 para os solos franco-arenosos (jardins); 7,67 e 542,2 mm.h-1 para franco-argilo-arenosos (jardins e convivência); e 4,07 e 256,86 mm.h-1 para areia franca (recreação). A capacidade de retenção de água foi menor nos jardins e o comportamento oposto ocorreu nas áreas de convivência. As simulações no Hydrus resultaram em valores mais elevados de lâminas escoadas e de evaporação nos jardins, e que não há diferença de valores das lâminas infiltradas acumuladas entre as três áreas.

Biografia do Autor

Artur Paiva Coutinho


Engenheiro Civil UFPE 2009

Mestre em Engenharia Civil na área de Concentração de Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos UFPE - 2011

Doutor em Engenharia Civil UFPE - 2015

Edison Gomes de França, Universidade Federal de Pernambuco

Engenheiro Civil

Mestre em Engenharia Civil

Alfredo Ribeiro Neto, Professor da Universidade Federal de Pernambuco

Professor da Universidade Federal de Pernambuco

Tássia dos Anjos Tenório de Melo, Professor da Universidade Federal de Pernambuco

Arquiteta e Urbanista formada pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL (2009). Especialista em Gestão e Controle Ambiental pela Escola Politécnica de Pernambuco - POLI/UPE (2010). Mestre em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos pelo Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal de Pernambuco - PPGEC/UFPE (2011). Doutora em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos pelo Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal de Pernambuco - PPGEC/UFPE (2015)

Severino Martins dos Santos Neto, Programa de Pós Graduação em Tecnologia Energeticas e Nucleares

Engenheiro Agrônomo UFRPE

Mestre em Tecnologias Energéticas e Nucleares

Doutor em Tecnologias Energéticas e Nucleares

Vitor Hugo de Oliveira Barros, Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil e Tecnologia Ambiental do Centro Acadêmico do Agreste


Engenheiro Civil UFPE

Mestre em Engenharia Civil e Ambiental

Lucas Ravellys Pyrrho de Alcânatara, Universidade Federal de Pernambuco

Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Pernambuco Campusdo Agreste em 2018.

Mestrando em Tecnologia Energeticas e Nucleares pela Universidade Federal de Pernambuco.

Antonio Celso Dantas Antonino, Professor Titular da Universidade Federal de Pernambuco

Professor Titular do Departamento de Energia Nuclear

Downloads

Publicado

2020-12-14