Associação Brasileira de Recursos Hídricos
 
Facebook
Linkedin
Twitter
SISTEMA DE REVISÃO: SUBMETA SEU ARTIGO
   
Login / Cadastre-se
 
Clique para ampliar...

RBRH
Revista Brasileira de Recursos Hídricos
Brazilian Journal of Water Resources

ISSN 2318-0331

VOLUME. 20 - Nº. 4 - OUT/DEZ - 2015
ARTIGO
Chemical composition of the Acre River water, Southwestern Amazonia / Composição química das águas do rio Acre, Amazônia sul-ocidental
Resumo:
ABSTRACT

The Amazon Basin is a special contributor to global biogeochemistry, particularly from the white water region related to the Andes mountains, a source of major Amazon river tributaries. White water composition and properties are rarely determined. Therefore, it is essential to know the spatial distribution and temporal variability of these waters to assess possible human influences on their chemical characterization. In this paper, a study performed in the Southwestern Amazon region, examining the chemical composition of the Acre River water is presented. This part of the Amazon Basin has not been studied sufficiently to determine the geochemistry of its white waters. pH, electric conductivity (EC), turbidity, and concentration of metals, anions and dissolved organic carbon (DOC) were measured from 2008 to 2014. Approximately 60% of the pH measurements had values between 6.5 and 7.3; 55% of the conductivity measurements had values between 30 and 60 -S cm-1; and 50 % of the turbidity measurements had values less than 100 NTU. The major soluble elements were Ca, Si and K. These species have a natural origin (clay minerals and quartz). Toxic elements (e.g., V, Ni, Cr and Pb) and the anions NO3- and SO42- were present at concentrations below the Brazilian Standards. The Na+, SO42- and Al concentrations are seasonally variable depending on water discharge. Major ions such as Mg and Ca showed a positive linear correlation with DOC.

Keywords: White water. Hydrogeochemistry. Acre River. Amazonia


RESUMO

A bacia amazônica contribui de maneira especial à biogeoquímica global, em particular a região de águas brancas relacionada com as montanhas andinas, fonte de importantes afluentes do rio Amazonas. A composição e propriedades das águas brancas não estão especificadas em grande parte. É essencial conhecer a distribuição espacial e a variabilidade temporal destas águas para, eventualmente, avaliar possíveis influências humanas sobre suas características. O presente trabalho aborda um estudo realizado na Amazônia Sul Ocidental onde foi examinada a composição química das águas do rio Acre. Esta parte da bacia amazônica não tem sido estudada suficientemente na determinação da geoquímica das suas águas brancas. Foram medidos o pH, a condutividade elétrica (EC) e a turbidez das águas, bem como a concentração de metais, ânions e carbono orgânico dissolvido (DOC) entre 2008 e 2014. Aproximadamente 60% das medições do pH tiveram valores entre 6,5 e 7,3; 55% das medições de condutividade tiveram valores entre 30 e 60 -S cm-1; e 50 % das medições de turbidez tiveram valores inferiores a 100 NTU. Os elementos mais solúveis foram Ca, Si e K. Estas espécies químicas apresentam origem natural (minerais de argila e quartzo). Os elementos tóxicos (e.g., V, Ni, Cr e Pb), bem como os ânions NO3- e SO42- foram encontrados em concentrações abaixo dos limites estabelecidos nas Normas Brasileiras. As concentrações de Na+, SO42- e Al variam sazonalmente com a vazão. Íons com altas concentrações como Mg e Ca mostraram uma correlação linear positiva com DOC.

Palavras Chave: Águas brancas. Hidrogeoquímica. Rio Acre. Amazônia
 
Palavras-chave: Keywords: White water. Hydrogeochemistry. Acre River. Amazonia / Palavras Chave: Águas brancas. Hidrogeoquímica. Rio Acre. Amazônia 

 

 

168 visualizações   81 downloads     Contabilizado a partir de 10/08/2014

 

 

 
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA
DE RECURSOS HÍDRICOS

Onde Estamos
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Caixa Postal 15029 - CEP 91501-970 - Porto Alegre - RS - Brasil

Nossos Contatos
Fone: (51) 3493 2233 / 3308 6652 - Fax: (51) 3493 2233 - E-mail: abrh@abrh.org.br

ABRH NA REDE
Facebook     Linkedin     Twitter