Associação Brasileira de Recursos Hídricos
 
Facebook
Linkedin
Twitter
SISTEMA DE REVISÃO: SUBMETA SEU ARTIGO
   
Login / Cadastre-se
 

RBRH
Revista Brasileira de Recursos Hídricos
Brazilian Journal of Water Resources

ISSN 2318-0331

VOLUME. 13 - Nº. 3 - JUL/SET - 2008
ARTIGO
Impacto do Uso de Vazões Naturais em Estudos Hidrológicos
Resumo:
Expressivo esforço tem sido dedicado, na atualidade, à reconstituição de séries de vazões naturais. A vazão natural é obtida adicionando à vazão observada as vazões consumidas. Na bacia do Paracatu, o efeito das ações antrópicas promoveu o crescimento do consumo de água cerca de 11 vezes, nos últimos 27 anos. O objetivo do presente trabalho é avaliar o impacto do uso das vazões naturais em substituição às vazões observadas em algumas seções da bacia do Paracatu, para fins de estudos hidrológicos. Foram analisados os dados de vazão observada e natural de 21 estações fluviométricas para o período- base de 1976 a 2000. O impacto do uso de vazões naturais foi estimado para as vazões máxima, média de longa duração e mínimas (Q7,10; Q95 e Q90). Esse impacto está expresso neste trabalho como  (delta). Foi calculado o grau de correlação entre a área de drenagem da seção e seu respectivo delta. Foi avaliado o comportamento do delta frente à magnitude da vazão natural. Nas análises estatísticas foi utilizado o teste t de Student ( = 5%). O valor médio de  para a Qmax, Qmld ,Q90, Q95 e Q7,10 foi, respectivamente, de 0,01%, 0,66%, 4,26%, 5,45% e 5,76%. Todos os impactos foram considerados estatisticamente significativos a 5%.Os tipos de vazão de maior magnitude corresponderam aos menores valores de delta. Houve diferença estatística entre os deltas das vazões mínimas, média de longa duração e máxima. Não se constatou relação linear significativa entre o tamanho da área de drenagem e a magnitude do delta. O comportamento de delta em função da vazão natural seguiu um modelo potencial, com declividade negativa, apresentando um alto R2 (0,9842). Para fins de estudos hidrológicos na bacia do Paracatu, não constitui preocupação o uso das vazões naturais para a estimativa das vazões máximas e médias de longa duração; já no caso das vazões mínimas, deve-se ter certo cuidado, já que o impacto foi um pouco mais expressivo. 
Palavras-chave: Recursos hídricos, ações antrópicas, vazão natural. 

 

 

70 visualizações   29 downloads     Contabilizado a partir de 10/08/2014

 

 

 
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA
DE RECURSOS HÍDRICOS

Onde Estamos
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Caixa Postal 15029 - CEP 91501-970 - Porto Alegre - RS - Brasil

Nossos Contatos
Fone: (51) 3493 2233 / 3308 6652 - Fax: (51) 3493 2233 - E-mail: abrh@abrh.org.br

ABRH NA REDE
Facebook     Linkedin     Twitter