Associação Brasileira de Recursos Hídricos
 
Facebook
Linkedin
Twitter
SISTEMA DE REVISÃO: SUBMETA SEU ARTIGO
   
Login / Cadastre-se
 
Clique para ampliar...

RBRH
Revista Brasileira de Recursos Hídricos
Brazilian Journal of Water Resources

ISSN 2318-0331

VOLUME. 19 - Nº. 4 - OUT/DEZ - 2014
ARTIGO
Atualização da equação intensidade-duração-frequência para a cidade de são paulo sob efeito de mudanças climáticas
Resumo:
Existe grande preocupação na comunidade científica em entender de forma adequada e abrangente a influência das alterações no clima sobre eventos hidrológicos extremos, cuja frequência e intensidade reconhecidamente tiveram variação significativa nas recentes décadas. Apesar de controverso o real motivo da alteração no clima, mais diretamente observada pela alteração na temperatura média do planeta, existe consenso de que o aumento desta é um dos principais fatores causadores dos distúrbios na precipitação. Neste artigo, é apresentada uma metodologia simplificada para atualização de curvas intensidade
duração frequência (IDF) considerando o impacto das mudanças climáticas. Curvas IDF são frequentemente utilizadas para projetos de drenagem urbana, drenagem de estradas, estruturas de controle de enchentes e inundações, entre outros. É uma forma expedita e não requer conhecimento específico para a geração de hietogramas (tormentas) de projetos. A premissa nestes casos, é de que o hietograma utilizado representa de forma adequada as condições hidrológicas durante a vida útil da estrutura projetada. A metodologia consiste em relacionar, através de desagregação espacial e utilização de função de transferência, o
período de dados históricos observados em uma estação com as simulações do período/cenário histórico ou de controle dos modelos de circulação global(GCM).
A correlação ou correção de viés, estabelecida entre o período histórico de dados observados e o de controle dos GCM é aplicada à equação e ajustada à IDF para os cenários futuros do modelo GCM, gerando assim as curvas IDF atualizadas sob efeito da mudança projetada no clima. A metodologia é aplicada a uma estação pluviométrica localizada na cidade de São Paulo, Brasil, cuja equação é oficialmente utilizada pela prefeitura da cidade em seus projetos. Os resultados obtidos são comparados às duas equações:e xistente e a outra ajustada aos dados mais recentes disponíveis. O modelo GCM utilizado na análise foi o CanESM2 do -Canadian Centre for Climate Modelling and Analysis-. Os resultados apresentam uma tendência de aumento das precipitações extremas tomando como base a curva ajustada ao dados mais recentes disponíveis. O incremento obtido de aproximadamente 4,5%, para cenário de menor emissão à cerca de 31% para cenário de emissão alta e períodos de retorno maiores. 
Palavras-chave: Curvas IDF. Modelos de circulação global. Drenagem. Modelagem matemática 

 

 

168 visualizações   122 downloads     Contabilizado a partir de 10/08/2014

 

 

 
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA
DE RECURSOS HÍDRICOS

Onde Estamos
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Caixa Postal 15029 - CEP 91501-970 - Porto Alegre - RS - Brasil

Nossos Contatos
Fone: (51) 3493 2233 / 3308 6652 - Fax: (51) 3493 2233 - E-mail: abrh@abrh.org.br

ABRH NA REDE
Facebook     Linkedin     Twitter